.../...

fico suspenso na expectativa

de um pensamento que rasgue o tempo

e me traduza o sonho das árvores



terça-feira, 28 de setembro de 2010

INTRUSÃO

Sentiste a minha intrusão
nos recantos da tua alma
quando os meus olhos sorriram
aflorando o teu olhar?

Foi nesse mágico instante
que descobriste o caminho
dos desejos inatingivéis
das vontades irrealizáveis
das escaladas incontroláveis
dos voos inolvidáveis
e das paixões supremas

Sentiste a minha intrusão
nos teus sonhos mais profundos
quando a minha boca tocaste
com os teus lábios de mel?

Foi nesse instante divino
que surgiu um novo mundo
onde nos aventurámos
com as almas enlevadas
e os corpos em fusão
inventando passo a passo
o caudal das sensações
nos limites das presenças,
nos meandros das ausências

Sentes a minha intrusão
nas tuas imagens dos dias
que ambos faremos nascer?


JCE 09/2010

4 comentários:

  1. O teu poema Intrusão entrou também ele de roldão dentro de mim.A tua sensualidade é como um íman que agarra,sem deixar despender!A divindade do Amor! A sua força magnética!

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito, tens uma forma de transpor as barreiras da alma. Beijo João

    ResponderEliminar
  3. "A magia do encontro de duas almas que se reconhecem como estando destinadas a fundirem-se num estado de completa transcendência"

    Grato pelos vossos comentários

    ResponderEliminar